NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS

Combustíveis fósseis na berlinda?

16/10/2013

Compartilhar

 Setor de petróleo, gás e carvão já começa a sentir os efeitos de “campanhas de desinvestimento”

 A Folha de S Paulo organizou essa semana um fórum sobre mobilidade urbana no qual o carro foi o grande vilão, a ponto de o ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná, Jaime Lerner, sair-se com essa frase: “o carro é o cigarro do futuro”.

Lerner referia-se às enormes campanhas de conscientização a respeito dos males do cigarro que tomaram o mundo a partir dos anos 1980 e resultaram em leis contra a publicidade do tabaco e na restrição dos fumantes a lugares específicos, entre outras medidas. No âmbito financeiro, as empresas do setor deixaram de receber grandes investimentos ao longo dos anos.

É difícil prever se o carro será mesmo o “cigarro” do futuro. Mas é certo que uma parte muito importante da cadeia automotiva já enfrenta problemas: a indústria dos combustíveis fósseis.

As grandes companhias de petróleo, gás natural e carvão começam a ser preteridas pelos portfólios dos fundos de investimento.

Em julho último, por exemplo, o Banco Mundial decidiu restringir os aportes de investimento e financiamento em usinas geradoras de energia movidas a carvão mineral. A entidade espera, com essa atitude, animar o Banco de Desenvolvimento da Ásia, o Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento, o Banco Africano de Desenvolvimento e  o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entre outros, a adotar o mesmo critério e modelar uma mudança mundial em direção às fontes sustentáveis de energia, com baixas emissões de gases de efeito estufa e menores impactos socioambientais.

No início desse mês, a Universidade de Oxford divulgou um estudo sobre ativos improdutivos (stranded assets) e a campanha de desinvestimento no setor de combustíveis fósseis. O cerne do estudo é entender o impacto dessas iniciativas no valor dos ativos dessa indústria.

O estudo verificou que as campanhas de desinvestimento têm três ondas: a primeira onda começa quando um grupo pequeno de investidores desiste de aportar recursos na indústria. A quantia é pequena e o ato serve  para conscientizar o público. A segunda onda, que pode se dar alguns anos depois, ocorre quando universidades de ponta no mundo, como Harvard, anunciam que vão reduzir os recursos em pesquisas no setor; a terceira onda é global, busca atingir os grandes fundos de pensão e chegar a mais pessoas no mundo.

O estudo também concluiu que a campanha pelo desinvestimento na indústria fóssil está na segunda onda e, desde 2010, mais de 40 instituições financeiras aderiram a medidas semelhantes à do Banco Mundial, motivadas por campanhas ambientais e climáticas.

O estudo esclarece que esse fato nem de longe permite concluir que as empresas do setor estão correndo risco de falência. Elas possuem enormes reservas de capital e ainda atraem potenciais investidores. Mesmo assim, o processo já começou e deve ser considerado nas projeções futuras que forem feitas, pois em outros casos, e o do tabaco é o mais emblemático, os efeitos foram sentidos de várias maneiras, em vários lugares do mundo e com ações de diversos tipos.

As campanhas podem criar no longo prazo a estigmatização do setor. No caso do petróleo e gás, o processo pode atingir não só as companhias de combustível fóssil, mas a cadeia produtiva delas decorrente.

Da estigmatização provêm leis mais restritivas para o setor, de âmbito nacional ou internacional, pois o “lobby” vai crescendo e as mensagens das campanhas vão ganhando força na sociedade.

O resultado da estigmatização representa uma ameaça muito maior às empresas do que a fuga de investidores. Ela pode criar empresas com imagem indelevelmente ruim, que sejam sempre citadas pela mídia, como exemplo de algo que não se deve fazer.

O estudo também ressalta a importância da boa governança para enfrentar e superar essas campanhas.

O que seria uma boa governança na indústria de combustíveis fósseis?

  1. 1.    Aquela capaz de reinventar a empresa.
  2. 2.    Olhar para as reservas de capital como uma oportunidade para sair de uma atividade de alto risco para outra mais estável, como fontes renováveis de energia.
  3. 3.    Lembrar que a indústria do carvão tem mais riscos de sofrer desinvestimentos do que a de petróleo, porque o carvão pode ser substituído por fontes renováveis e os derivados de petróleo possuem aplicações nobres em vários ramos da indústria.
  4. 4.    Setores como petroquímicos, farmacêuticos e de química fina ainda precisarão usar derivados de petróleo e serão segmentos interessantes para investir.
  5. 5.    Aprender a lidar com os obstáculos que as campanhas contrárias vão impor à empresa, sem confrontar, pois nesse caso pode haver o risco de a empresa se tornar o “bode expiatório” da campanha.
  6. 6.    A sustentabilidade não deve ser assunto apenas dos CEOs. Ela deve ser responsabilidade dos acionistas e dos investidores, que devem eleger conselhos de administração que tenham clareza a respeito do tema para a gestão da empresa e o futuro dos negócios.

 

CONTATO

  • endereçoRua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 445 - Pinheiros
  • endereço05415-030 São Paulo - SP
  • endereço* Para correspondências. Estamos 100% em trabalho remoto
  • telefone(55 11) 3897-2400
  • email[email protected]
  • horárioDe segunda a quinta - das 9h às 17h, sexta das 9h às 15h
  • imprensa(55 11) 3897-2416 / [email protected]
  • trabalhe conoscoTrabalhe Conosco

© 2016-2020 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.