NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS

Entidades se reúnem com a organização da Rio 2016 para debater transparência

04/11/2014

Compartilhar

Grupo liderado pelo Ethos discutiu a criação de uma ferramenta para monitoramento dos investimentos públicos e privados nos Jogos Olímpicos do Rio

Entidades da sociedade civil e órgãos de controle do governo estiveram reunidas com os integrantes do Comitê Organizador da Rio 2016 (Rio 2016), responsável por coordenar as atividades esportivas da Olimpíada, e com o Instituto Ethos no dia 23 de setembro para debater sobre as ações de transparência para a realização os Jogos Olímpicos. Essa foi a primeira reunião da Rodada Temática de Transparência nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, um espaço aberto pelo comitê organizador após consulta a uma série de entidades.

Ao todo serão criadas seis rodadas temáticas para ajudar o Rio 2016 a cumprir os compromissos estabelecidos nos relatórios de sustentabilidade das Olimpíadas. As rodadas temáticas são lideradas voluntariamente pelas instituições da sociedade civil com o apoio do Rio 2016. O debate sobre transparência será liderado pelo Instituto Ethos. Há também outros temas previstos para serem debatidos. Veja a lista das rodadas temáticas abaixo:

  1. Mobilidade urbana durante os Jogos Rio 2016
  2. Mudanças climáticas e os Jogos Rio 2016
  3. Educação para sustentabilidade através dos Jogos Rio 2016
  4. Proteção da criança e do adolescente durante os Jogos Rio 2016
  5. Diversidade e Inclusão e os Jogos Rio 2016
  6. Transparência dos Jogos Rio 2016

Para Tânia Braga, gerente de sustentabilidade do Rio 2016, explica que as Rodadas Temáticas tem três objetivos: entender como os Jogos Olímpicos podem funcionar como um catalizador para as questões a presentadas; se existe alguma maneira da organização do megaevento incorporar os temas apresentados na gestão e nas ações para a realização dos jogos; e, por último, a rodada pode funcionar como espaço para articulação das demandas entre as entidades participantes ou com órgãos de governo com quem o Rio 2016 tem contato.

Indicadores de Transparência

O principal tema da primeira reunião da rodada temática foi a criação de Indicadores de Transparência das Olimpíadas, seguindo o modelo que foi feito para a Copa do Mundo de 2014 pelo projeto Jogos Limpos, uma iniciativa do Instituto Ethos.

Ana Luiza Silva, coordenadora nacional do projeto Jogos Limpos, explicou como foi o processo de avaliação das prefeituras e dos governos estaduais que estiveram envolvidos com a realização do Mundial de Futebol. “Os Indicadores de Transparência na Copa tiveram duas aplicações no âmbito municipal (2012 e 2013) e duas no estadual (2013 e 2014). Apesar de termos observado um aumento das notas, nenhuma cidade e Estado que sediaram a Copa conseguiram alcançar um nível muito alto de transparência”, disse. Segundo ela, a ferramenta se mostrou útil para estimular os governos na busca de ações de transparência, mas o caminho a percorrer para uma boa política de transparência ainda é longo.

Silva listou os quatro grandes questionamentos que orientam as perguntas dos indicadores de transparência:

  1. Existem canais de informação pelos quais a população pode ter acesso aos dados sobre os investimentos necessários para realizar a Copa do Mundo de 2014?
  2. Esses Canais funcionam bem?
  3. Eles fornecem as informações que necessárias para o controle social dos investimentos?
  4. A participação social é permitida?

“O desafio agora é conseguir dar conta da complexidade da organização dos Jogos Olímpicos, que tem uma governança diferente”, avaliou Silva.

A Olímpiada é organizada por quatro órgãos. Um deles é o Rio 2016, uma entidade privada, formada pelos comitês olímpicos e paraolímpicos e das confederações brasileiras de vários esportes, que é a responsável por organizar as atividades esportivas da Olimpíada.

A construção dos equipamentos esportivos e do sistema de transporte, entre outras ações de infraestrutura, é dividido entre o município e o Estado do Rio de Janeiro. No caso da prefeitura carioca, foi criada uma empresa pública para esse fim, a Empresa Olímpica Municipal.

Para coordenar todas os investimentos públicos e os recursos federais aplicados, os jogos de 2016 ainda contam com a Autoridade Pública Olímpica (APO), um consórcio entre os três níveis de governo.

Essa arquitetura administrativa complexa também dificulta a consolidação dos gastos com os Jogos Olímpicos, que foi outro ponto de pauta na reunião. Além do Instituto Ethos e do Rio 2016 também estiveram presentes representante das seguintes organizações: Conservação Internacional, Controladoria Geral da União, Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ), Lagoa Viva, Rio Como Vamos, Siemens e Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.

Uma próxima reunião está marcada para ocorrer em dezembro, em que o Ethos apresentará as perguntas da versão dos indicadores de transparência para os jogos olímpicos.

Por Pedro Malavolta, do Instituto Ethos

Usamos cookies para que você possa ter uma boa experiência ao navegar.
Ao usar o site você concorda com o uso de cookies.
Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

CONTATO

  • endereçoRua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 445 - Pinheiros
  • endereço05415-030 São Paulo - SP
  • endereço* Para correspondências. Estamos 100% em trabalho remoto
  • telefone(55 11) 3897-2400
  • email[email protected]
  • horárioDe segunda a quinta - das 9h às 17h, sexta das 9h às 15h
  • imprensa(55 11) 3897-2416 / [email protected]
  • trabalhe conoscoTrabalhe Conosco

© 2016-2021 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.