NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS INSITUCIONAL

Instituto Ethos apoia o programa Cidade Solidária

Iniciativa inclui doação de alimentos e produtos de higiene

08/04/2020

Compartilhar

A coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (07/04), marcou o lançamento do programa Cidade Solidária, uma iniciativa da prefeitura da cidade de São Paulo que pretende organizar uma rede de ajuda à população paulistana durante a pandemia do coronavírus na capital, envolvendo a iniciativa privada e entidades dos mais variados segmentos da sociedade. Um dos objetivos do Cidade Solidária será o recebimento e distribuição de cestas básicas e produtos de higiene. O Ethos participa da ação por meio do engajamento e apoio ao programa.

“Já estamos articulando a doação de EPIs para o programa e também apoiando a disseminação de informações a respeito do Cidade Solidária, de forma a engajar mais empresas para apoio à iniciativa”, explica Caio Magri, diretor-presidente do Instituto Ethos.

Durante a coletiva de lançamento, o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, ressaltou que “a preocupação do município não é somente com a compra de materiais, aumento de leitos, EPIs e insumos de trabalho”. O prefeito destacou que o enfrentamento à pandemia “é uma questão econômica e social” e lembrou que “ainda não chegamos ao ápice do espalhamento do vírus na cidade, fase na qual haverá maior necessidade de atenção para a população mais vulnerável”.

 O programa consiste em uma ação em parceria com a sociedade, organizações não governamentais e entidades que já realizavam iniciativas nesse sentido e que agora podem se articular em conjunto, atingindo um número muito maior de pessoas, sem que haja coincidência de incidências no mesmo território. “O objetivo central é poder atender o maior número de comunidades carentes na cidade de São Paulo através de uma rede de esforços mútuos de diferentes atores”, destacou Covas.

O período inicial do programa e de recebimento de produtos é de três meses. Já existem organizações envolvidas na iniciativa, porém ainda é possível aderir ao programa.

“Ninguém sairá dessa pandemia do mesmo jeito, é momento de fortalecer os laços de solidariedade”, disse Eleilson Leite, sócio estatutário da Ação Educativa.

Como o programa irá atuar

O programa Cidade Solidária consiste em uma parceria entre o poder público e a sociedade civil, para melhorar a eficiência no atendimento as famílias de alta vulnerabilidade. Através de uma governança compartilhada com as entidades, estima-se a aquisição, captação e doação de cestas básicas e produtos de higiene.

Para a entrega das cestas e produtos, haverá um esquema de drive-thru, não sendo necessário que as pessoas desçam de seus automóveis.

Será disponibilizado um site da prefeitura, bem como um aplicativo, para acompanhamento das informações. E, a distribuição será efetuada em parceria com entidades de base da sociedade civil e organizações que já estão presentes nessas comunidades, que se responsabilizarão pelas entregas.

Haverá oito pontos vinculados a Secretaria da Cultura para os drive-thrus (com horário de funcionamento das 10h às 17h), em paralelo dois centros de distribuição, um especificamente para o recebimento das doações de produtos de higiene, em parceria com a Cruz Vermelha de São Paulo, e outro com a Secretaria do Trabalho, que irá realizar a coleta e o fracionamento/divisão dos produtos.

A rede de distribuição se baseará nas estruturas já existentes das comunidades, como as lideranças de entidades, movimentos e o programa Saúde da Família.

“Nossa entidade possui disponível um hospital com 50 leitos, dos quais 20 leitos são para UTI, vazios e espaço de mais de 2100 m² que serão utilizados para a realização de montagens de até 20 mil kits de higiene, limpeza e alimentação por dia, mais um espaço de 1500m² que pode se tornar um hospital de até 100 leitos. Além disso, estamos treinando mais de 300 alunos de enfermagem que irão atuar na campanha da Covid-19”, contou o presidente da Cruz Vermelha de São Paulo, Jorge Valney.

A mobilização será em articulação com a sociedade civil e também por meio de campanhas para gerar informações sobre o coronavírus ou sobre o programa. A estrutura utilizada será a que já existe nas comunidades e a plataforma 156 já passa a operar explicando como podem ser feitas as doações, tanto de produtos como em dinheiro.

Através da ferramenta Geosampa serão demonstrados, no mapa, os pontos de coleta, locais atendidos e itens, para assim minimizar o risco de comunidades serem atendidas mais vezes em detrimento de outras.

Sobre a identificação das famílias que serão assistidas

Para a identificação das famílias e territórios de maior vulnerabilidade, foi realizado o cruzamento de diferentes cadastros da prefeitura, como os da assistência social, do Programa Saúde da Família e de pessoas com deficiência. Num segundo momento, foram localizadas as famílias que possuem maior risco e também maior vulnerabilidade social e econômica.

Os públicos-alvos para recebimento dos benefícios terão como base os seguintes eixos: idosos com 60 anos ou mais; pessoas que já possuem doenças preexistentes; pessoas que possuem familiares com deficiência; famílias em vulnerabilidade – comunidades, cortiços e ocupações –, serão atendidas com prioridade.

Produtos para doação

Os produtos que serão recebidos para as doações e formação dos kits são itens para a composição de cestas básicas, kits de higiene e limpeza e complementação de renda via cartão eletrônico/celular. Considerando, ainda, ações voltadas para a população em extrema vulnerabilidade (população de rua) ligados a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), através de refeições para ajudar na rede de assistência social e no investimento em infraestrutura. Nesse sentido, melhorando a capacidade da SMADS de abrigar as famílias em situação de rua.

Os produtos a serem doados são:

Cesta Básica de Alimentos
Leite em pó integral para bebida: dois pacotes de leite em pó instantâneo, 400 gramas cada
Arroz agulinha: 5 kg
Feijão carioquinha: 1 kg
Farinha de mandioca: branca, 1,5 kg
Açúcar refinado: 1 kg
Óleo de soja: 900 ml
Sal: 1 kg
Macarrão: 1 pacote (tipo espaguete)
Polpa ou purê de tomate: 1 embalagem em caixa
Sardinha em óleo comestível: 2 latas

Cesta de higiene
Sabonete
Escova dental
Creme dental
Absorvente higiênico
Papel higiênico

Cesta de limpeza
Água sanitária
Detergente em pó
Desinfetante
Esponja multiuso

Onde doar

REGIÃO CENTRAL

  • Biblioteca Mário de Andrade- Rua da Consolação, 94, República
  • Centro Cultural São Paulo – Viaduto Beneficência Portuguesa, Paraíso, acesso de veículos ao Centro Cultural São Paulo (20 metros antes da esquina com a Rua Vergueiro)

 ZONA LESTE

  • Teatro Arthur Azevedo – Avenida Paes de Barros, 955, Mooca

ZONA OESTE

  • Centro Cultural da Diversidade – Rua Lopes Neto, 206, Itaim Bibi
  • Terminal da Lapa – Rua Constança, 72, Lapa
  • Casa de Cultura do Butantã – Avenida Junta Mizumoto, 13, Jardim Peri

 ZONA NORTE

  • Casa de Cultura Vila Guilherme – Praça Oscár da Silva, 110, Vila Guilherme

ZONA SUL

  • Centro Cultural Santo Amaro – Avenida João Dias, 822, Santo Amaro

Por: Redação, com contribuições de Luiz Franco, estagiário de Práticas Empresariais e Políticas Públicas do Instituto Ethos

Foto: Unsplash

CONTATO

© 2016-2020 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.