ETHOS MEIO AMBIENTE

Justiça social, religiosa, racial e ecológica para enfrentamento a crise climática


26/11/2019

Compartilhar

Karenna Gore destaca a justiça como base para o desafio com a mudança do clima

Karenna Gore, diretora do Center for Earth Ethics, e líderes religiosos responderam a perguntas no painel de encerramento da Conferência Brasileira de Mudança do Clima (CBMC), Mudança do clima – desafio do nosso século, que aconteceu no Recife, nos dias 6, 7 e 8 de novembro.

As lideranças religiosas, sintetizadas neste texto na figura de Mãe Beth de Oxum, deram continuidade ao diálogo iniciado na Sinagoga Kahal Zur Israel, que aconteceu antecipadamente e procurou responder a seguinte questão: como a religião pode unir forças na luta pelo clima?

Mãe Beth de Oxum falou sobre diversas questões, dentre elas o papel dos jovens frente a crise climática. “A juventude aqui é apática e é no território que faremos a mudança. Esse lugar silencioso onde as coisas vão acontecendo é o mesmo lugar do clima, por isso a gente tem que possibilitar encontros como esse”, destacou Mãe Beth que finalizou sua análise observando o extermínio da juventude negra: “mataram mais jovens negros aqui do que na guerra da Síria. E, usam Jesus como moeda de troca”.

Karenna Gore, filha mais velha do ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, também enalteceu “a cultura do encontro”, que, segundo ela, “é muito importante”.

“Eu sei como os retrocessos afetam as nossas vidas. Depois que tomei conhecimento do que está acontecendo no Brasil, após às eleições, quis ajudar a melhorar essa situação”, revelou Karenna ao explicar o porquê de sua aproximação com o país.

Por fim, ao concluir sua participação, a diretora do Center for Earth Ethics, ressaltou que “é muito importante reconhecer a relação entre justiça social, justiça religiosa, justiça racial e justiça ecológica, pois tudo parte da mesma base”.

Por: Rejane Romano, do Instituto Ethos

CONTATO

© 2016 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.