NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

CONFERÊNCIA ETHOS 360°

O empoderamento de refugiadas no mercado de trabalho

04/10/2016

Compartilhar

A inclusão social por meio do trabalho é um jeito de receber os migrantes e acabar com a vulnerabilidade. Programas corporativos são imprescindíveis nesse processo.

“Por que ter uma mulher refugiada trabalhando em uma empresa é importante?” Com essa pergunta Adriana Carvalho, assessora de empoderamento da ONU Mulheres, abriu a discussão. A resposta é simples, as mulheres têm grande poder de decisão e estudos mostram que diversidade aumenta a competitividade. “Para a marca que contrata é muito positivo também, pois a sociedade está mais intolerante com as desigualdades e os refugiados são muito qualificados, falam outras línguas e geralmente têm excelente formação em seus países de origem”, respondeu Beatriz Carneiro, secretária executiva do Pacto Global no Brasil. Elas estiveram ao lado de Vinicios Meneguzzi Malfatti, gerente de sustentabilidade das Lojas Renner e diretor executivo do Instituto Lojas Renner, na Conferência Ethos 360°.

O Brasil tem tradição diplomática na acolhida de refugiados e há uma possibilidade legal de empoderar essas pessoas por meio do trabalho. O Ministério da Justiça concede a cada um que entra com pedido de asilo um atestado provisório, que permite que a obtenção da carteira profissional.

Isso fez com que a congolesa Francine Kola Fiona trabalhasse nas Lojas Renner, signatária de um programa de inclusão de refugiados da ONU. Francine contou como foi chegar ao Brasil fugindo de conflitos em sua terra natal e da violência em todo o continente africano. Além disso, falou da importância de ter um emprego. “Estou me acostumando ao Brasil e ter trabalho e apoio me farão esquecer a dor que vivi por deixar o meu país. Aqui eu tenho apoio”.

“As migrações forçadas superam as ocorridas na Segunda Guerra Mundial. Hoje temos 65 milhões de pessoas em migração atualmente. A cada minuto, 24 pessoas têm de deixar seus lares”.

 

Por Maíra Teixeira, para o Instituto Ethos.

 

Foto: Clovis Fabiano/Fernando Manuel/Adilson Lopes

CONTATO

© 2016-2020 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.