NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS INTEGRIDADE

Senado aprova criação de programa de compensação por serviços ambientais

Produtores descumpridores de termos de conduta ou de áreas embargadas não poderão participar do programa

11/01/2021

Compartilhar

Produtores descumpridores de termos de conduta ou de áreas embargadas não poderão participar do programa

Em votação simbólica, o Senado aprovou na 4ª feira (16/12) o Projeto de Lei 312/2015 que institui Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais. A proposta prevê uma remuneração para produtores rurais, indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais que conservarem áreas de preservação ambiental.

A aprovação aconteceu depois de um acordo entre o relator da matéria, o senador Fabiano Contarato (ES) e representantes da bancada ruralista no Congresso Nacional. Como o PL sofreu alterações no Senado, ele retornará à Câmara dos Deputados para análise e votação.

Pela proposta, será criado um programa nacional, com cadastro dos projetos candidatos ao recebimento de recursos. Os pagamentos podem ser feitos para populações em áreas rurais e urbanas, priorizando integrantes de comunidades tradicionais, povos indígenas e agricultores familiares. Poderão ser contempladas pelo programa áreas com cobertura vegetal nativa, ou aquelas que passam por restauração ambiental, além de Unidades de Conservação, Terras Indígenas, Territórios Quilombolas e outras áreas ocupadas por Populações Tradicionais.

O pagamento será feito através de repasses financeiros ou por meio de formas alternativas de remuneração, como prestação de melhorias sociais, compensação vinculada a certificado de redução de emissões por desmatamento e degradação, entre outras.

Produtores descumpridores de termos de conduta ou de áreas embargadas por órgãos ambientais não poderão participar do programa.

Agência BrasilCongresso em FocoFolhaG1O Globo e Valor deram mais detalhes.

Em tempo: Uma análise do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) sobre o Programa Piloto Floresta+ mostra que os recursos que deveriam ser destinados para o pagamento por serviços ambientais para agricultores familiares, indígenas e comunidades tradicionais para ajudar na proteção da Amazônia poderão ser usados para fins totalmente opostos. Isso porque o Programa-Piloto, fundamentado pela Estratégia Nacional de REDD+, acabou sendo incluído dentro de um programa mais amplo de criação de um mercado voluntário de créditos de carbono de floresta nativa (o Programa Floresta + Carbono), que prevê remuneração a todos os produtores rurais, inclusive aqueles que historicamente desmataram a floresta e que foram em parte “perdoados” com a mudança do Código Florestal. Essa confusão institucional, que mistura REDD+ e mercado de carbono, permitiria que aqueles que desmataram ilegalmente suas propriedades possam compensar comprando créditos de carbono florestal de quem protegeu. O Valor abordou o estudo.

Por: ClimaInfo

Foto: ClimaInfo

Usamos cookies para que você possa ter uma boa experiência ao navegar.
Ao usar o site você concorda com o uso de cookies.
Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

CONTATO

  • endereçoRua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 445 - Pinheiros
  • endereço05415-030 São Paulo - SP
  • endereço* Para correspondências. Estamos 100% em trabalho remoto
  • telefone(55 11) 3897-2400
  • email[email protected]
  • horárioDe segunda a quinta - das 9h às 17h, sexta das 9h às 15h
  • imprensa(55 11) 3897-2416 / [email protected]
  • trabalhe conoscoTrabalhe Conosco

© 2016-2021 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.