NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS

WWI lança o relatório “Estado do Mundo 2014”

07/01/2015

Compartilhar

Com o tema “Como Governar em Nome da Sustentabilidade”, a edição brasileira do relatório está disponível para download integral e gratuito.

O relatório Estado do Mundo 2014 marca o 40º aniversário do Worldwatch Institute (WWI) examinando o que significa governar em nome da sustentabilidade. Os autores destacam a responsabilidade dos agentes políticos e econômicos, revelam a força que têm os cidadãos para fazer mudanças significativas e mostram que os sistemas de gestão são eficazes e devem ser inclusivos e participativos, permitindo que os seus membros tenham voz na tomada de decisão coletiva.

“Esta obra apresenta diversas vozes esclarecidas que falam da interface entre degradação e risco ambientais e os conceitos e modelos de governança e que, se tivermos determinação, promoveremos uma gestão sustentável dos bens comuns em todo o mundo”, destaca David Malone, reitor da Universidade das Nações Unidas. “É um livro claro, instigante e vital, que também faz um chamado consciente à ação.”

“Num mundo marcado por fontes concorrentes de autoridade e poder e pela busca por interesses particulares, tanto de indivíduos quanto de países, o relatório do WWI deste ano mostra como, diante de governos falíveis e mercados imperfeitos – sem uma governança global –, podemos e devemos pôr em prática normas para o uso de recursos naturais finitos de modo democrático, justo e, acima de tudo, sustentável, para o bem comum”, diz Ramesh Thakur, professor da Australian National University e diretor de redação do Global Governance Journal.

“A publicação pode ser lida como um relatório sobre o ‘Estado da Riqueza’. Jamais a riqueza exerceu tanto poder ou esteve tão concentrada a ponto, inclusive, de ameaçar a vida civilizada. A riqueza é incapaz de oferecer um futuro justo ou, na realidade, qualquer tipo de futuro. Nisso reside sua fraqueza e a esperança de que surja a mudança substancial necessária à sustentabilidade”, analisa Roberto Bissio, coordenador da Social Watch, rede mundial que trata sobretudo da erradicação da pobreza e da questão de gênero.

Nesta edição, os autores examinam como as iniciativas locais e regionais voltadas para a democracia, a energia, a responsabilidade corporativa e o clima podem melhorar a governança por meio da análise de uma variedade de tendências. Argumentam que a sustentabilidade depende de ações nas esferas econômica e política. Discutem também como as entidades de classe podem garantir que a transição para a sustentabilidade seja economicamente viável e socialmente justa e, mais importante ainda, como os cidadãos devem assumir a responsabilidade de capacitar-se para essa transição.

Sediado em Washington, capital dos Estados Unidos, o WWI é uma das mais respeitadas instituições de pesquisa do mundo, reconhecida pela construção de cenários sobre sustentabilidade usados por governos, universidades, empresas, ONGs e fundos de investimento e citada como referência para a sustentabilidade. Divulgadas pela imprensa nacional e internacional, as publicações do instituto são usadas como subsídios para planejamentos públicos e privados.

Publicada em língua portuguesa pelo WWI-Worldwatch Institute Brasil, a edição brasileira do Estado do Mundo 2014 – Como Governar em Nome da Sustentabilidade, a exemplo dos outros relatórios do instituto no país, quebra a barreira da comercialização, democratizando a informação, pois, graças aos apoios recebidos, está disponibilizada para download integral e gratuito.

Texto divulgado pelo WWI.

CONTATO

  • endereçoRua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 445 - Pinheiros
  • endereço05415-030 São Paulo - SP
  • endereço* Para correspondências. Estamos 100% em trabalho remoto
  • telefone(55 11) 3897-2400
  • email[email protected]
  • horárioDe segunda a quinta - das 9h às 17h, sexta das 9h às 15h
  • imprensa(55 11) 3897-2416 / [email protected]
  • trabalhe conoscoTrabalhe Conosco

© 2016-2020 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.