NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS MEIO AMBIENTE

Índice de Mobilidade Corporativa anuncia empresas com melhores práticas de transporte no Brasil

Foram avaliadas mais de 16 empresas

13/11/2019

Compartilhar

Índice de Mobilidade Corporativa, iniciativa que visa consolidar e avaliar as melhores práticas das empresas acerca da mobilidade de seus colaboradores, acaba de anunciar os resultados de seu primeiro levantamento. Em primeiro lugar foi eleita a Deloitte, seguida da Mutant, e da ALD Automotive, na terceira posição. Com patrocínio de 99, a pesquisa contou com a participação de 16 empresas, cerca de 20 mil colaboradores, foi dividida em quantitativa e qualitativa e foi anunciada durante a última edição do Welcome Tomorrow.

Segundo Gustavo Gracitelli, CEO do Bynd, startup realizadora da pesquisa, a escolha das empresas vencedoras deve-se a uma metodologia que levou em conta diversos fatores. “O Índice de Mobilidade Corporativa avaliou que em 2019 essas foram as melhores empresas, considerando fatores como entorno da empresa, deslocamento dos colaboradores e políticas de mobilidade corporativa. Para todos os quesitos, foram dadas notas de 1 a 5 e então foi estabelecida uma média ponderada entre mais de 15 critérios de avaliação diferentes”, explica.

Também foram feitas avaliações a partir de análises qualitativas, buscando mergulhar nas experiências reais dos colaboradores para entender o que é a mobilidade sob o ponto de vista das pessoas. “O índice mostrou, pela primeira vez no Brasil, qual é de fato o cenário da mobilidade das empresas. A grande descoberta é que há muito por fazer, as empresas ainda não discutem a mobilidade de forma estratégica, mas, ao mesmo tempo, 50% dos deslocamentos nas cidades acontece por causa do trabalho. O que percebemos é que há muita oportunidade, pois algumas políticas de mobilidade eficiente, assim que implementadas, têm impacto grande e imediato na produtividade da empresa, na retenção de talentos, na saúde dos colaboradores e até na dinâmica da cidade”, afirma Gracitelli.

O executivo acrescenta ainda que não bastasse isso, quando uma grande empresa pensa e atua visando a melhora da mobilidade, ainda constrói o futuro alinhado aos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU. “Então há também uma oportunidade de posicionamento e as empresas não têm ocupado esse lugar de protagonismo ainda. Com o índice, demos visibilidade à questão e estamos muito felizes em somar dados, informações e provocar ainda mais conversas transformadoras a partir da mobilidade”, disse.

Para Elias de Souza, sócio da Deloitte para a indústria de Infraestrutura, Governo e Serviços Públicos, “esse prêmio é muito importante para a Deloitte, pois endossa a preocupação com nossos profissionais e com a sustentabilidade das cidades em que vivemos. Iniciativas como esta são fundamentais para ajudar outras empresas no desenvolvimento de políticas adequadas de mobilidade corporativa”.

De acordo com Thiago Paretti, da Mutant, a empresa já conseguiu comprovar por experiência própria que a mobilidade é um importante pilar social e, portanto, também das empresas. “Colaboradores com mais qualidade de vida, que tem menor tempo de deslocamento ou que podem trabalhar em casa, aumentam sua produtividade, aumentam sua satisfação e colaboram para uma cidade menos poluída e mais fluída. Tudo isso são benefícios concretos de um pensamento e implementação de melhor mobilidade”, avalia.

Segundo Julien Laudijois, Diretor de T.I. e Inovação da ALD Automotive na America Latina, o prêmio faz todo sentido para a ALD, já que estratégia em mobilidade é o seu negócio. “Sabemos quanto o bem-estar de nosso staff impacta em suas atividades do dia a dia. Mobilidade não é apenas se deslocar do ponto A ao B e sim ter acesso a cidade da melhor maneira possível. Cada vez mais estaremos empenhados em elaborar estratégias que reflitam rapidez, sustentabilidade, economia, bem-estar, saúde, segurança e tantos outros itens que impactam a experiência de cada um”, pontua.

Metodologia do Índice de Mobilidade Corporativa

Inspirado na metodologia norte-americana do Best Workplaces for Commuters, o Índice traz para o Brasil aspectos inéditos no país sobre o que há de mais inovador em mobilidade corporativa e gestão de pessoas. Neste contexto, as pesquisas do IMCorp foram divididas entre análises quantitativas e qualitativas.

Mais de 20 empresas responderam à pesquisa quantitativa, das quais 16 foram habilitadas a participar. Foram avaliadas empresas da Região Metropolitana de São Paulo, com quadro de 250 a 3.500 colaboradores alocados na sede principal, entre elas nomes como a ViaQuatro, Deloitte, Ecorodovias, Ferrero e Banco Cetelem. Foram analisados os padrões de deslocamento de cerca de 20 mil trabalhadores, avaliando-se três diferentes dimensões de cada empresa: as suas políticas de mobilidade corporativa, os deslocamentos casa-trabalho-casa e as características do entorno das sedes.

As políticas de mobilidade têm maior peso, já que as empresas têm poder direto de atuação nesse quesito. Foram avaliados itens como incentivos ao uso de transporte público, a fretados e ao transporte ativo (bicicleta, caminhada, etc), políticas de jornada flexível e teletrabalho, além de programas de gestão sustentável das vagas de estacionamento e de atenuação dos impactos do uso de veículos privados. A análise dos deslocamentos dos trabalhadores, por sua vez, visa mapear e qualificar o custo de tempo, monetário e de bem-estar para as pessoas. Pontos como a duração dos deslocamentos, o nível de congestionamento dos trajetos, a emissão de poluentes causada por essas viagens e o custo monetário para os trabalhadores foram estudados.

Por fim, o quesito características do entorno das sedes parte da premissa de que as empresas possuem um importante potencial de ação para influenciar as características das regiões onde elas se localizam. A localização define as opções de acesso à empresa e às demais atividades econômicas no seu entorno por parte dos colaboradores. Foram avaliados a facilidade de acesso à empresa via transporte público e bicicleta, a qualidade das calçadas no entorno imediato, o nível e a diversidade da atividade econômica nas proximidades e o custo da moradia.

Com a perspectiva qualitativa, o Índice de Mobilidade Corporativa buscou entender os impactos e oportunidades ligados ao deslocamento casa-trabalho-casa a partir da experiência de colaboradores de empresas diversas e de uma troca com especialistas. Neste contexto, o levantamento estudou o comportamento de 15 profissionais e destaca como a mobilidade corporativa pode ser estratégica para as empresas, influenciando diretamente a saúde, a qualidade de vida e produtividade de seus colaboradores, além de impulsionar o posicionamento e visão de sustentabilidade, cada vez mais valorizado atualmente.

A pesquisa quantitativa foi capitaneada pelo pesquisador especialista em mobilidade e doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Illinois (EUA), Renato Vieira. O estudo qualitativo foi realizado pelo Imagina Coletivo, uma organização que existe para ativar o poder de transformação das pessoas tendo a imaginação como guia e que, desde 2012, se dedica a projetos de mobilização e produção de conteúdo para engajamento.

“Além de ganhos financeiros imediatos, políticas de mobilidade inteligentes e eficientes podem atrair e reter talentos, melhorar o clima organizacional e ainda promover uma rápida e grandiosa transformação nas cidades em que essas empresas estão. Hoje, metade de todos os deslocamentos da cidade ocorrem por causa do trabalho, o que demonstra que as empresas estão em um lugar central na construção dos problemas de trânsito, poluição e adoecimento das pessoas na cidade. Exatamente por isso, devem se tornar protagonistas na construção de soluções. É isso que o Índice se propõe a discutir e provocar”, explica Gustavo Gracitelli, CEO da startup de mobilidade corporativa Bynd, realizadora do IMCorp.

Problema crônico

De acordo com dados da Pesquisa de Mobilidade Urbana na Cidade, feita pelo Ibope Inteligência em parceria com a da Rede Nossa São Paulo, o paulistano leva 1 hora e 57 minutos para se deslocar, ida e volta, pela cidade para realizar a atividade principal, como trabalho ou estudo. Em paralelo, segundo pesquisa da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), 64% dos carros de São Paulo circulam com apenas uma pessoa dentro. Ou seja, tem muita vaga disponível em carros que possivelmente vão para o trabalho.

“Diversas pesquisas apontam que estamos usando o carro da forma errada. Os prejuízos de mobilidade, ambientais, econômicos, de saúde, de produtividade são evidentes. Então passou da hora de propor mudanças nesse cenário e honestamente sentimos boa vontade por parte das grandes empresas. A proposta do Índice é reunir e organizar aqueles que estão dispostos a protagonizar esse movimento”, afirma Daniela Swiatek, coordenadora do IMCorp.

Empresas participantes da Pesquisa:

99

ALD Automotive

Baxter Hospitalar

Banco Cetelem

Cidade Center Norte

Cushman & Wakefield

Deloitte Touche Tohmatsu

Ecorodovias Concessoes e Serviços

Ferrero

Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo – IPT

Mutant

Ontex Brasil

SAP

Tempo Assist

ViaMobilidade

ViaQuatro

Youse

Sobre o Índice de Mobilidade Corporativa

O Índice de Mobilidade Corporativa é uma iniciativa pioneira criada em 2019 pelo Bynd e que existe para traçar e avaliar o panorama de mobilidade corporativa no Brasil. Por meio de pesquisas quantitativas e qualitativas desenvolvidas por especialistas no tema, o trabalho tem o propósito de elevar a eficiência da mobilidade dos grandes centros urbanos, convidando médias e grandes empresas brasileiras a revisitarem as políticas de mobilidade disponibilizadas para seus colaboradores.

Como parceiros, o IMCorp conta com o IBOPE Inteligência, Instituto Ethos, Great Place to Work, WRI Brasil, Instituto Parar, Welcome Tomorrow. Mais informações: www.indicedemobilidade.com.br.

Sobre o Bynd

Criado em 2016, o Bynd oferece a maior rede de caronas corporativas do Brasil. Por meio de seu aplicativo, colaboradores de grandes empresas podem compartilhar seus trajetos em uma rede segura, dividindo assentos vagos em veículos que circulam pelas cidades. A solução é focada em empresas com mais de 250 funcionários e já atende 17 grandes players, entre eles Bradesco, Localiza, Schneider Electric, Coca-Cola, Sanofi e Mercedes-Benz. Ao todo, a empresa tem mais de 37 mil usuários, intermediando mais de 150 mil caronas, o que representa uma redução de 547 toneladas de CO2 na atmosfera.

Em agosto de 2019, a empresa foi selecionada para o programa de aceleração do Facebook e Artemisia dentro da Estação Hack. Já em setembro, o Bynd recebeu R$ 1,2 milhão em investimentos por meio da plataforma EqSeed. Destaca-se ainda o convite realizado pela ONU e pelo Governo de Seul para apresentar a solução na Coreia do Sul e o primeiro lugar no InoveMob, organizado pela Toyota Mobility Foundation e World Resources Institute, que garantiu um prêmio de R$ 400 mil.

O Bynd foi fundado por Gustavo Gracitelli (CEO), Leonardo Liborio (COO) e Abraão Barros (CTO). Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Gracitelli trabalhou com vendas, desenvolvimento de novos negócios e no mercado financeiro.  Liborio também é economista graduado pela USP e conta com experiência de mais de três anos em bancos de investimentos, como Goldman Sachs e Raymond James. Já Abraão Barros é formado em engenharia da computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), onde inclusive presidiu o Centro de Empreendedorismo por dois anos. O CTO aprofundou os estudos na área na Universidade RWTH em Aachen, na Alemanha e já desenvolveu mais de 10 aplicativos para as mais variadas indústrias nos últimos cinco anos.  Mais informações: www.bynd.com.br

Por: assessoria de comunicação do Bynd

Foto: Pexels

CONTATO

© 2016-2020 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.